Schwarzenegger Governador

Sem comentários Rudá Sudário

Quando a bolha da internet estourou em março de 2000, a bolsa de valores iniciou seu pior declínio em 20 anos. A arrecadação no estado da Califórnia despencou com a queda na atividade das empresas do Vale do Silício. Somado a isso a Califórnia sofreu com a crise de energia de 2000 e 2001, com os preços da energia triplicando em San Diego e com apagões constantes em torno de São Francisco. Além disso, a Enron passou a racionar o fornecimento de energia para explodir os preços. A população logo colocou a culpa no governador Gray Davis, seus índices de aprovação despencaram, e Arnold Schwarzenegger começou a se imaginar governador do estado da Califórnia pelo partido Republicano.

A Califórnia possui um valioso mecanismo de votação popular direta. Segundo a legislação do estado, a população também pode criar leis, levando propostas a voto durante os pleitos estaduais. Hiram Johnson, governador da Califórnia de 1911 a 1917, e senador por quase 30 anos, o utilizou para diminuir o poder de um legislativo corrupto controlado pelas grandes empresas ferroviárias.

Apesar dos índices continuarem baixos, Gray Davis venceu a eleição para governador em 2002 na campanha eleitoral mais cara da história da Califórnia. Logo após o início de seu novo mandato, iniciou-se um movimento popular para depô-lo do cargo, utilizando-se da lei de votação popular direta. As assinaturas começaram a ser recolhidas, num abaixo assinado cuja lei exigia quase 900 mil assinaturas. A alegação era de péssima gestão das finanças, gasto excessivo do dinheiro do contribuinte, ameaça a segurança pública ao cortar o financiamento das administrações locais, incapacidade de justificar o custo exorbitante da energia elétrica e inaptidão para lidar com os principais problemas do estado.

Foi aí que Arnold Schwarzenegger entrou. A campanha revogatória (recall) de 2003 consistia em duas perguntas: ” o governador deve ser destituído?” e “Se o governador for destituído, quem deve substituí-lo?”.

Ted Kennedy havia declarado “Tenho apreço e respeito por Arnold… mas sou democrata. E tampouco apoio a eleição revogatória”. Apesar disso, Schwazenegger seguindo o conselho da sogra, Eunice Kennedy, procurou Ted Kennedy em busca de apoio, e este lhe deu um valioso conselho: “Arnold, nunca entre em detalhes”, e contou a seguinte história:

Após uma audiência pública de quatro horas em que ele discutiu a questão da saúde nos mínimos detalhes, os mesmos jornalistas que assistiram a audiência foram atrás dele perguntando quando era que finalmente ele iria discutir os detalhes. “Isso só mostra que nunca é possível dar detalhes suficientes: as pessoas sempre vão querer mais. Porque o que elas realmente querem é que você se enrole e diga algo que possa ser transformado em notícia. Cobrir uma audiência de quatro horas no Congresso é uma coisa, mas o que os jornalistas querem é gerar manchetes. É isso que os faz brilhar. Por enquanto, no começo, diga apenas: ‘Estou aqui para resolver o problema.’ Faça disso a sua bandeira. Na Califórnia, você precisa declarar: ‘Sei que temos problemas graves – apagões, desemprego, empresas se mudando para outros lugares, muitas pessoas que precisam de ajuda… e eu vou resolver isso tudo'”. No dia 17 de Novembro de 2003, Arnold Schwarzenegger se tornou o 38º Governador da Califórnia.

Rudá Sudário

Editor-chefe do Tendência Econômica