Para ler: Livre para Escolher

Sem comentários Rudá Sudário

Podemos ler na contra capa desta edição de “Free to Choose” a idéia central que será discorrida por Milton e Rose Friedman: “Onde quer que encontremos uma grande parcela de liberdade individual, alguma dose de progresso no conforto material à disposição dos cidadãos comuns e uma esperança generalizada de mais progresso no futuro, lá veremos também que a atividade econômica está organizada principalmente com base na economia de mercado. Onde quer que o Estado assuma o controledetalhado das atividades econômicas de seus cidadãos, ou seja, onde quer que reine o planejamento econômico central detalhado, lá os cidadãos comuns estão com algemas políticas, têm um baixo padrão de vida e pouco poder para controlar seu próprio destino. O Estado pode prosperar e produzir monumentos impressionantes. Classes privilegiadas podem usufruir plenamente do conforto material. Mas os cidadãos comuns são instrumentos a serem usados para os propósitos do Estado, recebendo nada além do 13599764_319087135089478_694196304900039930_nnecessário para serem mantidos dóceis e razoavelmente produtivos”.

Neste clássico da economia os autores colocam a questão da liberdade no centro do debate político-econômico, trazendo exemplos de como o alto grau de intervenção do Estado em uma sociedade traz resultados negativos e propondo soluções.

Na época em que foi escrito os ventos do liberalismo estavam soprando novamente no Ocidente, com Reagan e Thatcher. O último capítulo do livro, “A maré está virando” foi em homenagem a esta onda. Hoje, três décadas depois, parece que a maré está virando também na atrasada América do Sul. Por isso ele se faz tão importante neste momento, independente da ideologia do leitor, tal qual o convite dos autores, no prefácio da primeira edição: “Você deve revirar as questões em sua cabeça à vontade, considerar os muitos argumentos, deixá-los cozinhar em fogo brando e, depois de um bom tempo, transformar suas preferências em convicções”.

Rudá Sudário

Editor-chefe do Tendência Econômica