O novo presidente do Peru

Sem comentários Rudá Sudário

Após quatro dias de contagem dos votos, Pedro Pablo Kuczynski, do partido Peruanos Pela Mudança, é matematicamente o vencedor do segundo turno das eleições presidenciais do Peru, com 50,12% dos votos válidos (ainda não se atingiu 100% das apurações). Diferença de apenas 0,242% da vencedora do primeiro turno, Keiko Fujimori.

Keiko Fujimori é filha de Alberto Fujimori, eleito presidente em 1990 derrotando o Nobel de Literatura Mario Vargas Llosa. Em 1992, aliado às Forças Armadas, instaurou a ditadura no país que durou até 2000, ano em que – em meio a uma série de escândalos em seu governo – renunciou a presidência e exilou-se no Japão. Após o exílio do pai, Keiko foi aos EUA, onde concluiu um MBA na Universidade Columbia. Após os estudos voltou ao Peru e se lançou na carreira política.

Kuczynski é filho de imigrantes. Formou-se em Política, Filosofia e Economia em Oxford, e logo depois conseguiu outro diploma em Princeton. Trabalhou no Banco Mundial, foi primeiro-ministro e ministro da Economia no governo de Alejandro Toledo (2001-2006).

O Peru é um país com uma população de 30,4 milhões de habitantes que vem nos últimos anos apresentando taxas de crescimento econômico de fazer inveja. De 2011 a 2014 teve a maior média de crescimento anual da América Latina, 5,9%, e em 2015 cresceu mais 3,3%. Em 2016, já cresceu 4,42% no 1º trimestre, em comparação com o ano anterior. Kuczysnki terá que seguir com o motor girando enquanto enfrenta uma população dividida e um Legislativo com a maioria no partido de sua adversária.

Rudá Sudário

Editor-chefe do Tendência Econômica